Dei um pulinho de alegria quando minha amiga Ana Valeria me avisou sobre a possibilidade de participar de uma oficina de sashiko. Eu já tinha ouvido falar da técnica quando morei nos Estados Unidos e estava de olho em alguma oportunidade de aprende-la.

Dias depois chegou o email da Heloisa Rocha com o convite. Li as instruções com atenção. Separei a régua transparente, a tesoura e aguardei bem animada a chegada da manhã de sábado em que a oficina seria realizada.

Turma lotada e concentrada para aprender as técnicas do bordado sashiko

A Helô anda apaixonada pelo sashiko e organizou a aula para espalhar esse amor por aí. Eu já me encantei logo no começo da apresentação. No telão, ela mostrou fotos de kimonos japoneses e explicou que o sashiko surgiu pela necessidade dos japoneses remendarem tecidos para prolongar a vida dos kimonos. Nerd craft do jeito que eu aprecio, a Helô selecionou fotos dos remendos artísticos e inspiradores. E dentro desse espírito, embalou em um assunto que tem me interessado cada vez mais: a valorização do que já foi gasto, o reuso de roupas e materiais que iriam para o lixo, a hora de refletirmos sobre a associação do novo com bom_ o que nem sempre é verdade!

Passada essa conversa boa, ela nos deu as direções para desenharmos no tecido a base do bordado. Achei interessante o fato dela não ter levado um desenho pronto para que os alunos copiassem. Ela preferiu nos instruir como fazer para que depois_ quando alcançarmos um estágio mais avançado_ tenhamos a liberdade de criar os nossos próprios desenhos.

Heloisa Rocha (@manufaturah) espalhando seu amor pelo bordado sashiko!

Outra curiosidade: além da régua, usamos cápsulas usadas (e bem lavadas!) de café para fazer as curvas no gráfico. A Helô contou que fez vários testes até chegar a ideia da capsula! Lembrei da época em que eu fazia bonecos e usava pires ou copos para desenhar os moldes da cabeça ou barriga. Curto muito essas soluções improváveis!

Régua transparente, caneta que apaga com calor e cápsulas usadas de café são os instrumentos para marcar o bordado.

Na oficina, aprendemos dois tipos de gráficos. Ao contrário do que eu imaginava, o bordado com curvas saiu bem mais fácil do que o que tinha apenas linhas retas_ muito mais complexo do que eu pensava! Voltei pra casa empolgada para pesquisar mais sobre o sashiko e me aprofundar na técnica.

Como inspiração, a Heloisa levou projetos em que ela tem aplicado o sashiko: o bolso de uma bela sacola, um jeans, uma bolsa que mistura crochê e bordado. Bem, eu fiquei sonhando em bordar algo nas costas de uma camisa ou jaqueta. Quem sabe um lenço em linho ou uma colcha. As possibilidades são infinitas.

Obrigada por me ensinar tanto, Helô!!! Super recomendo a oficina.

* Atenção! Você encontra a Heloisa Rocha, informações e calendário das próximas oficinas no Instagram @manufaturah