Aprender a tricotar renda era um desejo antigo. Acho delicado, romântico e versátil_ um detalhe de renda em uma blusa, uma manta ou um cardigã deixa tudo muito mais charmoso. Eu olhava admirada aquelas peças lindas pelo Instagram e não tinha a menor ideia de onde começar.

Minha musa inspiradora é a Melody Hoffman. Ela é francesa e mora na Latvia, no norte europeu.Eu vivia (e ainda vivo!) namorando as receitas dela e sonhando com o dia_ bem distante_ que iria tricotá-las. E não é que este dia chegou antes do que eu imaginava? Vi que a Melody daria um curso, eu teria como faze-lo e não perdi a chance.

Aquele “uau” quando eu vi essas peças tricotadas pela Melody Hoffman de pertinho.

No curso, ela nos ensinou a ler os moldes que contém rendas. Normalmente, as receitas são escritas em dois formatos e cabe à tricoteira verificar qual delas se adapta melhor e segui-la. A primeira é a descrição direta da sequência de pontos que, juntos, formarão o desenho da renda.  A segunda alternativa_ a minha favorita_ é a leitura do gráfico com símbolos.

O primeiro aspecto que me chamou a atenção é que o gráfico é lido da direita para a esquerda. Cada símbolo representa um tipo de ponto: meia, tricô, aumento, laçada e etc. Em uma das partes há uma marcação mais forte. Ela indica que aquele trecho será repetido. E é justamente essa repetição que determinará o desenho da renda.

Nas primeiras horas, eu suei para me entender com essas informações. Um medo danado (e bobo!) de me perder, errar tudo e ter que desfazer. Até que eu descobri um macete: falar em voz alta cada ponto, enquanto ele é tricotado. Isso ajuda a memorizar e a manter a leitura do gráfico.

Outra dica é separar cada repetição com um marcador. Assim, se você se perder dá para identificar com mais rapidez onde está o erro.

O fio é outro fator_ que pode ajudar ou fazer você xingar e desistir. Cheguei a começar um casaquinho para minha filha com detalhe em renda na pala certo tempo atrás, mas a lã se dividia tanto cada vez que eu fazia os aumentos e reduções que meu desenho sempre ficava atrapalhado. Fiquei bem decepcionada. Dessa vez, estou usando uma lã pura, em merino, fininha, com 4 torções, ou seja, ela é bem firme e não desfia enquanto eu movimento as agulhas. Ah! A lã é fina, mas as agulhas são medianas, tamanho US 5 (3.75 milímetros).

Ainda nao terminei meu xale, mas estou apaixonada pelo processo. Nem sei se vou usá-lo tanto assim, mas estou curtindo muito tricotá-lo. E ele será sempre uma recordação muito boa da aula com a Melody.

Agora estou na metade do trabalho, já decorei a sequência e o tricotar ficou ainda mais divertido. Não é o tipo de projeto para eu fazer enquanto bato papo com alguém. A renda sempre exigirá atenção, mas depois de memorizada e de não precisar mais ficar olhando para o gráfico, ela me levou a um processo meditativo, de atenção plena, o tão falado mindfulness.