Tem hora que a gente encana com uma determinada peca de roupa. Agora, por exemplo, eu estou a procura de uma calça curta com barra larga, a tal pantacourt. Já vi em algumas lojas, mas nada que me animasse a abrir a carteira.

Acredito que logo, logo encontrarei um molde bacana, um tecido macio e farei uma pantacourt que me vestira bem. Foi a mesma história com a jardineira, salopete, vestido… sei lá como chama isso!! Há muito tempo estava de olho em um modelo assim.

Até comprei no ano passado um bem lindo na Madewell (ai, Madewell! Como eu te amo…), mas ele é em jeans e bem cara da primavera-verão.

Como moro  em Washington, nos Estados Unidos, janeiro pra mim e igual a frio, temperaturas negativas e alguns dias de neve (os meus favoritos!).

Quando eu bati o olho no molde Cleo, da inglesa Tilly and The Buttons, pensei: Hum! Vai dar jogo com um veludo cotele! Eu sempre gostei e usei veludo. Aprendi com a minha mae. Mas nunca tinha costurado esse tipo de tecido.

Olha ai a costura no meio com pespontos! Quase nao da pra ver no veludo cotele. Vamos la…

Sobre o modelo: a execução do molde foi bem rápida. A frente e as costas tem uma costura no meio com pesponto.

Nos meus dois vestidos (vamos chamar assim, ok?), nao da para reparar essa costura mas acho que ficaria bom em jeans e linha laranja (aquela linha própria para jeans, sabem?).

A costura do centro da frente e a das costas é apenas decorativa. Acredito que não mudaria nada na modelagem se eu tivesse cortado a frente dobrada formando uma só peça, mas a gente não  pode desperdicar a chance de dar uma incrementada, né? Acho que deu um toque mais profissional.

Sobre o tecido… Os dois vestidos são de veludo, mas bem diferentes de manusear. O floral é um veludo bem leve, com listras (aquela textura natural do veludo cotele) bem estreitas.

Foi ótimo para cortar e costurar. Paguei menos de 4 dólares no metro em uma promoção na Joann (o melhor lugar para comprar tecidos por um bom preço). Já o marrom é um veludo bem pesado, com listras mais espaçadas. Foi mais chatinho para cortar, costurar na maquina reta e para passar a overloque nos acabamentos internos.

No meio do processo até achei que não ia dar samba, mas amei o resultado. Comprei quando estive na Philadelphia para participar do curso da Madalynne. Paguei 10 dólares no metro. Levei também um corte preto. Estou em dúvida se farei outro do mesmo modelo ou uma saia.

O charme desse modelo é o passador de metal e o botão. Foi fácil achar o kit nos armarinhos. Para pregar esse tipo de botão você tem que furar o vestido com um agulhao (um abridor de casas também funciona) e bater com um martelo.

E não é que ornou com a gola que eu tricotei???

Desde que ficaram prontos, tenho vestido quase todos os dias. E o acompanhamento perfeito para a blusa térmica, a gola role e a meia calça de fleece. Por cima de tudo, claro, um big casacao!