Nessa internet, onde tudo muda de um ano para o outro, há quem diga que os blogs ficaram no passado. Eu prefiro pensar que ainda existem leitores que desejam uma relação mais íntima com quem escreve. Explico. Quem entra em um blog, entra por escolha. Seja quem chega ao digitar o endereço ou em uma busca pelo google. Há bem menos interferência do mal falado algoritmo e da inteligência artificial. E quem volta, volta porque sentiu saudade. Volta porque quer entrar de novo naquela casa, que diz tanto sobre o dono.

No Instagram, o deslizar ágil na tela do celular mostra uma foto mais atraente do que a outra e isso dificulta esse tipo de contato. Se por um lado, o Insta permite a comunicação imediata por meio de comentários e directs, em segundos aparece tanta coisa boa que a gente rapidamente nem lembra mais do que viu. Blogs X Insta. Um não substitui o outro. São plataformas diferentes, o que implica em interações distintas.

Infelizmente, nos últimos tempos, a palavra “blogueiro” acabou sendo mal apropriada e se distanciou da sua definição original. Aliás, o que as ultra famosas blogueiras tem menos feito hoje é blogar, ou seja, tirar as próprias fotos (lembra delas no começo empunhando nos eventos suas próprias cameras para registrar o que viam?), escrever o que sentem e experimentam. Blogueiro fala de política, economia, jornalismo, astronomia, física quântica, feminismo e mais o assunto que quiser. Vamos já parar com essa bobagem de associar a “blogueiragem” à futilidade e ao comércio sem fim? Existe isso. Claro. E é divertido. Mas, blogar vai além.

Acredito na internet que troca ideias, ajuda a tirar dúvidas sobre um assunto (neste caso, nada substitui nosso amado You Tube), e, principalmente, que inspira. Fique à vontade para puxar minha orelha e me indicar o que você também viu nas suas andanças por aí. Meu desejo lá do fundo é que você se lembre de mim sempre que estiver com vontade de dar um peteleco na sua criatividade. Não é para copiar (e se copiar, tudo bem…), para se sentir melhor nem pior (xô julgamentos!!), mas para sair daqui com vontade de abrir seus potes de cola, pegar seus pincéis, tirar a máquina de costura do armário, sentar no sofá com uma manta e entrelaçar os dedos nas agulhas de tricô.

Sejam bem vindos! Estarei sempre por aqui para compartilhar pensamentos, contar o que ando estudando sobre crafts, _ e, porque não, para exibir orgulhosa minhas costuras e tricôs. Toda sexta-feira vai ter post fresquinho para você começar o fim de semana relax… com fotos coloridas, sugestões de projetos simples para reproduzir em casa e palavras, muitas palavras.

Com amor,
Vivi Basile