Numa tarde dessas, a Ruby me convidou para um cafezinho na casa dela. Bem, cafezinho não seria um termo muito adequado quando você encontra uma mesa cheia de gostosuras, arrumada com tanto carinho. Taí algo que eu valorizo cada vez mais na vida: há momento mais precioso do que alguém se planejar, assar um bolo, mexer o brigadeiro na panela e tirar a melhor louça do armário para lhe receber? A sensação de acolhimento é imediata. É preciso aproveitar cada segundo.

A Ruby mora num petit apê que me encanta. Fico babando todas as vezes que vou lá. Não falta, nem sobre nada. Tudo o que está lá dentro tem utilidade e foi muito pensado até ocupar gavetas e prateleiras. Num mundo que te chama para comprar tudo o que você vê pela frente, fico admirada com a capacidade de seleção da minha amiga. Cada pecinha tem a cara dela e significa algo na história da família.

E quanta organização, viu? Duas portas de armário para guardar todas as roupas dela e do marido? Sim, ela prova que é mais do que o suficiente. Mini área de serviço não é sinônimo de bagunça. Cozinha com armários limitados? A solução é ter só mesmo o necessário. E pra quê mais??

Cada vez que eu vou lá há uma novidade. Dessa vez, a Ruby trocou o papel da parede da sala e o da cozinha. Cansou do floral romântico e substituiu por um de tijolinhos. Taí mais um motivo de admiração: na casa da Ruby não há estagnação. Tudo está sempre em movimento, em construção. Ela está sempre bolando um jeito de deixar o que já está lindo ainda mais e mais bacana!